• Dra Cleonir de Moraes Lui Beck

Caxumba


A Caxumba é uma doença contagiosa, de evolução benigna, causada por um vírus da família Paramyxoviridae, cuja principal característica é o aumento das glândulas salivares, principalmente das parótidas (parotidite), geralmente bilateral. Isto causa um inchaço na região abaixo e à frente das orelhas, em direção ao pescoço.

Incidência:

  • Antes da inclusão vacina contra a caxumba no calendário básico de vacinação a partir de 1992, sua incidência era muito alta entre as crianças.

  • Hoje, ela ocorre em surtos, entre adolescentes e adultos jovens.

  • A incidência é maior nos meses de inverno e primavera.

Transmissão:

  • Por gotículas respiratórias no ar (tosse, espirro).

  • Por saliva (beijos, utensílios compartilhados).

  • Por toque em uma superfície contaminada (cobertor, maçaneta, torneira).

Período de transmissão: estende-se de 2 dias antes do início da parotidite até 5 dias após esta data. Período de incubação: tempo entre o contato com o vírus e aparecimento dos sintomas, de 12 a 25 dias.

Sintomas:

  • Cerca de 30% das pessoas infectadas pode não apresentar os sintomas, mas, pode transmitir o vírus.

  • Os sintomas mais comuns são: febre, inchaço na região das parótidas, dor para engolir e ao comer alimentos ácidos, dor de cabeça, cansaço, falta de apetite.

Complicações: Apesar de raras, podem ocorrer: inflamação dos testículos e ovários, mais raramente, ainda, levar à esterilidade. Além disso, meningite asséptica ou encefalite, pancreatite, neurite, surdez e aborto.

Diagnóstico: O diagnóstico é baseado nos dados clínicos e epidemiológicos. Existem testes sorológicos ou de cultura para vírus, porém não são utilizados na rotina.

Tratamento: Não existe tratamento específico, indicando-se apenas repouso, analgésicos e observação cuidadosa quanto à possibilidade de aparecimento de complicações.

Prevenção:

  • A prevenção é simples: vacina contra caxumba.

  • O esquema vacinal recomendado pelo Programa Nacional de Imunizações inclui a administração da vacina tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) aos 12 meses de idade e a vacina quádrupla viral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela) aos 15 meses de idade (esta última corresponde à segunda dose da tríplice viral mais uma dose da varicela).

  • Conforme o Calendário Nacional de Vacinação, todas as crianças e adolescentes até 19 anos de idade devem ter duas doses de vacina com os componentes do sarampo, caxumba e rubéola. Indivíduos de 20 a 49 anos de idade, que não apresentarem comprovação vacina, devem receber uma dose da vacina tríplice viral.

  • A Sociedade Brasileira de Imunizações (Sbim), no entanto, recomenda duas doses para pessoas de todas as idades.

  • Quem já tomou as duas doses da vacina não precisa se imunizar de novo ao longo da vida.

  • Quem teve a doença uma vez também está protegido.

No Estado de São Paulo, a vacina contra o sarampo, a caxumba e a rubéola (SCR) foi incluída no calendário básico aos 15 meses no ano de 1992, após campanha de vacinação indiscriminada para crianças entre um e dez anos de idade. Em 2000, a SCR era administrada aos 12 meses de idade, e no ano de 2004 foi incluída uma dose de reforço entre quatro e seis anos de idade. Em 2013, a segunda dose passou a ser aplicada aos 15 meses utilizando-se a vacina SCR-Varicela (Tetraviral).

Apesar do controle possibilitado pela vacinação em massa, alguns surtos esporádicos ainda acontecem, e a doença pode acometer pessoas vacinadas — essa situação é rara e as complicações neste grupo são mais raras ainda. Boa parte dos adolescentes e adultos não está adequadamente protegida contra a caxumba porque muitos não tomam a segunda dose da vacina.

Na ocorrência de surtos deverá ser notificada e verificada a necessidade de bloqueio vacinal seletivo, conforme as indicações do Calendário Nacional de Vacinação.

A vacina está contraindicada para:

  • gestantes

  • pessoas com história de anafilaxia (reação alérgica grave) após o recebimento de dose anterior

  • indivíduos com imunodeficiência grave

Vacinas disponíveis:

  • Tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola)

  • Quádrupla viral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela)

Fontes:

Centers for Disease Control and Prevention

Ministério da Saúde

Sociedade Brasileira de Pediatria

Sociedade Brasileira de Imunizações

Foto: escola.britannica.com.br

#pediatria #vacina #doençasdeprimavera

285 visualizações
  • Instagram
  • LinkedIn ícone social
  • Facebook ícone social

Este site proporciona informações seguras sobre Pediatria, Alergia, Imunologia e saúde em geral.

Desenvolvido para promover a saúde, oferece conteúdo fidedigno, correto e de alta qualidade, protegendo a privacidade dos pacientes e respeitando as normas regulamentadoras do exercício ético-profissional da medicina.

Atenção: as informações contidas neste site, não substituem a necessidade da consulta com sua ou seu pediatra.

Todas as fotos expostas neste site têm seus direitos autorais respeitados. Não há foto de pacientes neste site.